Saturday, 22 October 2016

Crush




Let's go drive 'till morning comes 
Watch the sunrise to fill our souls up 
Drink some wine 'till we get drunk 

It's crazy I'm thinking 
Just knowing that the world is round 

Here I'm dancing on the ground 
Am I right side up or upside down 
Is this real or am I dreaming 

Friday, 21 October 2016

Life's good

Ah e tal não tinhas dito que ias voltar ao blog e agora desapareceste outra vez?

Verdade, verdade, mea culpa. Mas por bons motivos. Parece que encontrei o meu bordão (ler post anterior para compreender a referência). Comecei a trabalhar e estou a adorar. Gosto do que faço e principalmente daquilo que poderei vir a fazer. Gosto da margem de progresso que tenho, tanto pessoal como profissional. Gosto dos desafios. Adoro o ambiente.

Por isso, é normal andar mais ausente, saio cedo de casa e chego tarde e cansada.  Mas não me esqueci do blogue. E continuo com vontade de escrever aqui. Estou só "out of shape". Ainda assim, não queria deixar de vos dar esta novidade :)



Friday, 30 September 2016

MOOD


Tuesday, 27 September 2016

Hope

Help comes when you need it most
James, Waltzing Along


Estou aqui sentada à secretária, a beber a minha caneca de café pós-almoço, e a pensar em como as coisas, a vida, são engraçadas. 

Tentamos conseguir alguma coisa, alguma coisa que queremos ou precisamos muito, e só ouvimos nãos de volta. Por vezes nem isso, ficamos a ouvir o nosso pedido a fazer eco na porta que nem sequer abriu para nos dar uma oportunidade. Porque no fundo é isso que queremos: uma oportunidade. Pode correr bem ou mal, mas no fim queremos dizer: apareceu, eu tentei, dei o meu melhor. 

Mas os caminhos que escolhemos (ou é a vida que os escolhe por nós? Ou talvez bocadinho dos dois?) nunca são a direito e geralmente as subidas íngremes e difíceis são às centenas. O importante é nunca para de andar, seja a subir ou a descer, e perceber que depois da curva o que vem é uma incógnita. 



Há alturas em que essas subidas nos desesperam. Nunca mais acabam. São íngremes como o raio. Estamos cansados, fartos, cheios de pó e, pior ainda, está a começar a anoitecer. Perdemos a esperança, caímos, voltamos a levantar. Doem as pernas, a cabeça, os pés. A alma. Sentamo-nos à beira da estrada e só nos apetece fechar os olhos e esquecer que ali estamos. 

E é quando amanhece que percebemos que estamos quase no fim daquela subida particular. Ou que encontramos um bordão para nos ajudar a caminhar. É quando tudo parece perdido que a vida acontece. E nós escolhemos ter esperança novamente.  E compreendemos que todos os sítios por onde andámos, todas as pessoas que conhecemos, tudo o que já fizemos, se estão a juntar para cumprirmos um certo propósito, seja ele qual for. E, repito, escolhemos ter esperança.


Levantamos a cabeça, sorrimos e seguimos muito melhor preparados o nosso caminho de subidas e descidas. Afinal nós somos o que o nosso caminho faz de nós. E mais do que isso, somos aquilo que escolhemos fazer com o caminho que se nos depara.



Monday, 26 September 2016

MOOD


(achei que não ia voltar aos moods, mas oh! que se lixe)

Bom dia alegria!


Life starts all over again when it gets crisp in the Fall.
F. Scott Fitzgerald

'Bora lá aproveitar este glorioso dia de Outono!

Sunday, 25 September 2016

Os Cheiros

Foi a Tim que me alertou para a frase de um dos livros do Marc Levy:

Sabia que a memória olfativa é a única que nunca se apaga? As caras das pessoas que amámos apagam-se com o tempo, mas os cheiros nunca se apagam.

Foi a propósito da It'Soap to You, mas a verdade é que fiquei a pensar nisso. E não podia concordar mais. Associamos cheiros a momentos, a pessoas, a tempos mais ou menos bons, a emoções. Às vezes basta uma leve corrente de ar para nos transportar para 1001 memórias que achávamos que estavam bem esquecidas. 

Para mim, o Outono é das alturas em que os cheiros mais sensações despertam, mais memórias acordam. É a minha estação do ano preferida. Sempre associei o Outono a dias felizes. O regresso às aulas, as novas colecções de roupa, as botas, dormir de meias, chás quentinhos e leituras embrulhada em mantas macias. 

E há cheiros tão característicos desta época e que me deixam tão "quentinha". 

O das primeiras chuvas.
O de cadernos e livros novos.
O cheiro a grafite.
As castanhas assadas!
O de tartes de maçã e canela.
Dos grãos de café.
Da madeira molhada...

Gosto tanto do Outono!


Saturday, 24 September 2016

Quando isto acontece...

O dia só pode ser fantástico ahah


Até amanhã, bonitões!

29, JÁ?


A menina do desenho sou eu (vá, faz de conta) cada vez que me lembro que hoje, 24 de Setembro de 2016, faço o raio de 29 anos. VINTE E NOVE. 



Não quero. Vou bater o pé e fingir que este dia não está a acontecer. Odeio fazer anos. Não é a coisa do envelhecer, cabelos brancos, rugas e companhia. Nada disso. É só mesmo envelhecer e ainda ter a minha vida de pernas para o ar. Diz a minha psicóloga (não sabiam que tinha uma? pois tenho e é a melhor coisa de sempre) que quando não se gosta de fazer anos é porque sentimos que não temos nada de bom para celebrar. O que é mais ou menos o caso. Só mais ou menos. Tenho carradas de coisas boas na minha vida e os melhores amigos do mundo. Só não estou onde queria estar.

E depois aquela coisa de as pessoas que nunca nos dizem nada o ano inteiro serem um poço de simpatia e virem todas delicodoces para cima de nós como se fossemos bff? Não há grande pachorra, embora cada um de nós faça exactamente a mesma coisa nos aniversários alheios...  

Já para não falar de um dia inteiro agarrada ao telefone a falar com tios e primos cujos nomes desconhecemos, amigos dos pais, bochechas doridas de tanto sorriso amarelo. Opá ninguém merece, não é? No fundo, no fundo só quero ir dormir a sesta... 



E as desilusões habituais de quem era suposto lembrar-se de nós nestes dias mas que 'tá quieto. Acho que isso é do que mais custa. (Nota-se que sou uma pessoa muito amarga, não nota?)

E depois há o fenómeno do cantar os parabéns... Felizmente já todos sabem que não sou fã da coisa...


Bom. É isto. Não curto a cena. Isto sou eu todo o santo ano. Lá para o meio de Agosto começo a ficar insuportável com a ideia de fazer anos.  Odeio profundamente aquele momento da meia-noite. 

Mas depois à medida que o dia vai passando, dá-se um fenómeno estranho: o meu humor começa a melhorar consideravelmente. 
"Ah x e y lembraram-se de mim!"
"Que mensagem amorosa!"
"Isto afinal não é assim tão mau!"



E a verdade é que cá estou. Mais um ano a sobreviver e cheia de histórias para contar. Quem diria, há um ano atrás, que hoje estaria para aqui entretida com um pequeno negócio de sabonetes?  Eu não, de certeza! E a soap tem sido um salva-vidas. Assim um projecto anti-inutilidade. 
Na verdade, o ano não correu assim tão mal. Há muitas coisas para celebrar. Para começar só o facto de existir (embora não tenha pedido a ninguém pa vir ao mundo lol) e resistir aos testes intermináveis desta vida.  Cada ano mais forte, cada ano mais segura, cada ano melhor. Afinal é como diz o outro... Eu não faço anos, subo de nível.


E os 29 vão ser incríveis. É cá um feeling que tenho... Por isso:




Friday, 23 September 2016

Juro que não voltei só para fazer propaganda!

Mas já agora...


Código: FREESHIPPING1
© NUDE LIFE
Maira Gall